POR QUE AS SEMENTES DE AGUAÍ SÃO TÓXICAS PARA USO ORAL??

As sementes de Aguaí (Thevetia nerilfolia) contêm, como principais substâncias, os glicosídeos cardiotônicos thevetina-A e thevetina-B.

Estes glicosídeos cardiotônicos são análogos à digitoxina e digoxina, que ocorrem em Digitalis purpúrea, popularmente conhecida como Dedaleira ou Campainha, por suas flores apresentarem aspectos de várias campainhas.

A Dedaleira tem sido utilizada na medicina popular e moderna como fonte de substâncias para o fortalecimento do coração.

Esses glicosídeos auxiliam o movimento de contração do miocárdio no batimento cardíaco tornando-o mais ritmado, resultando numa batida mais lenta, porém mais forte.

A dose para obter o efeito terapêutico da digitoxina é cerca de 70% da dose tóxica, de maneira que a administração deve ser muito cuidadosa.

Alguns dos efeitos colaterais incluem náusea, salivação, dores de cabeça, extra-sístole, arritmias e efeito sinérgico à toxidade do cálcio.

Reações adversas foram observadas em cerca de 20% dos pacientes hospitalizados que receberam preparações de Digitalis, sendo que a incidência de toxidade foi maior entre idosos que sofriam de problemas do coração.


Tanto a thevetina-A e thevetina-B, bem como os produtos de reações de hidrólise em meio ácido que resultam na formação de uma série de derivados, constituem-se num potencial terapêutico e econômico ainda inexplorado.

Não se sabe se essas substâncias ocorrem também nas cascas do Aguaí e não somente nas sementes, mas caso ocorram, é possível que essas possam ser absorvidas pela pele devido a sua alta solubilidade em água. Assim, a utilização de sementes junto com o corpo se construiria numa espécie de administração das mais eficientes, resultando num fluxo constante de glicosídeos cardiotônicos na dose correta.

O grau de toxidade das substâncias thevetina-A e theventina-B é determinado pela dose que o corpo pode absorver e pode vir a causar a morte por parada cardíaca.


Assim, em hipótese alguma as sementes de Aguaí, bem como suas folhas e troncos podem ser ingeridas por via oral, seja diretamente, ou seja, através de infusões em chás.